Vamos trabalhar alguns mitos?

Para amamentar, além de ter informações, é preciso ter confiança no processo, sendo que conhecer alguns mitos que rondam o aleitamento provavelmente te deixará mais a vontade para levar o aleitamento adiante.

Meu peito não enche, não tenho mais leite? Ao final do primeiro mês, a produção de leite da mãe se adequa à quantidade de bebês que nasceram, e à demanda do RN pela quantidade de leite necessária do dia.

O corpo da mulher é inteligente e potente o suficiente para produzir somente o necessário.

Como eu faço para ter muito leite? Amamente com frequência, tenha uma boa quantidade de ingestão diária de líquidos, oferte sempre as 2 mamas na mesma mamada e aquela que o bebê não mamar, “esvazie” através de uma ordenha na pia. Existem protocolos de estímulo mecânico de estimulação da produção, alguns chás e extratos que são usualmente recomendados, mas não sem uma análise do caso concreto.

Leite demais incomoda o bebê ao mamar, incomoda a mãe que fica com a roupa molhada constantemente, e em excesso e sem o manejo adequado, pode ocasionar intercorrências indesejáveis como a mastite.

Estou grávida, preciso parar de amamentar? DEPENDE. Alguns médicos não recomendam sob o argumento de que a ocitocina liberada por conta da amamentação acarretaria contrações uterinas que levariam ao aborto, mas existe muita evidência científica de que a quantidade de ocitocina liberada por conta da amamentação não é o suficiente para estimular atividade abortiva; se não foi contraindicada relação sexual na gestação, a amamentação não é impeditivo.

E NÃO, não há risco de ocasionar diarreia no bebê mais velho que mama.

SIM, mesmo que tenha um bebê mais velho mamando, o novo terá o COLOSTRO.

Essa forma de amamentação chama-se amamentação em tandem.

Tomarei antibiótico, preciso parar de amamentar? DEPENDE, consulte a substância ativa do remédio no site E-Lactancia, e verifique com seu médico a possibilidade de que ele indique um medicamento com baixo risco para o bebê.

Tento tirar leite na bomba e aperto com a mão e não sai nada. Tenho leite? O estímulo mecânico da extração de leite demanda acompanhamento, mas o que é extraído na bomba não é indicativo de baixa produção. A extração é indicada sempre depois da mamada, e o corpo produz o suficiente para o bebê mamar, de modo que nos primeiros estímulos pós mamada, a tendência é sair pouco e ir aumentando gradativamente.

Além disso, a forma de sucção do bebê no seio é diferente do estímulo da bomba.

Meu bebê está em Livre Demanda mas quer mamar toda hora, meu leite é fraco? De JEITO NENHUM! Talvez você precise de uma avaliação do processo todo da mamada; massageie as mamas antes de oferta-las; capriche no conforto ao amamentar; atente-se para o volume e textura das suas mamas ANTES e depois de amamentar; atente-se ao processo (saia do celular e preste atenção), à sucção não nutritiva e nutritiva do bebê, para avaliar se está havendo transferência de leite.

O pediatra indicou complemento, o que eu faço? Bom, alimentar seu bebê é a primeira regra! Para ofertar o complemento, existirão outras formas além da mamadeira, e uma delas é a relactação, onde o complemento é oferecido junto ao seio da mãe, através de uma sonda conectada em um relactador. Assim o bebê não tem acesso ao fluxo rápido e fácil da mamadeira, e ainda estimula a produção de leite da mãe.

Posso pedir para alguém dar mamadeira noite para descansar? Durante a noite ocorre a maior disponibilidade de prolactina no corpo da mãe, se ela quer manter o aleitamento exclusivo pelo período de 6 meses ou mais, é muito importante o estímulo do seio na madrugada, seja pelo bebê, seja ordenha de alívio para que os seios não fiquem com aquele leite “parado”, o que ocasiona a queda da produção de leite.

É importante falar também que o bebê é inteligente e saberá que o fluxo da mamadeira é muito mais fácil do que o do seio da mãe, e poderá optar pela alimentação que demanda menos de si, através da mamadeira, gerando o que popularmente chama-se de “confusão de bicos”, o que causa desmame precoce.

Amamentação funciona como contraceptivo? NÃO! Se você conhecer um pouco sobre ciclo menstrual, saberá que a menstruação (sangramento) é o FINAL do período, onde há a descamação do endométrio devido à ausência de gestação. Logo, você só vai saber que ovulou DEPOIS de ter ovulado, a menos que você acompanhe os mucos cervicais. Ou seja, quando você menstruar, a ovulação já terá ocorrido; e das duas umas, você descobrirá que a menstruação voltou; ou você não menstruará e terá um teste de gravidez positivo. 

ATENÇÃO: as questões do aleitamento são altamente distintas de mães e mães, tudo que é baseado em relações humanas e corpos humanos são distintos, uma vez que não existe experiências iguais ou sistemas iguais. Cada ser humano é único. Logo, não se compare com outra mãe ou família, tentando imitar algo que deu certo por lá porque “com fulana não foi assim”, ou “com fulana foi assado”.

Confie no seu processo, e se for o caso, solicite auxílio.

_____________
Estimou-se, com os dados do ano de 2016,  que com o incentivo das práticas de amamentação, haveria a prevenção de, por ano, aproximadamente 823.000 mortes de crianças menores de 5 anos e de 20.000 mulheres por câncer de mama, no mundo todo[1].

HOJE, no dia que escrevo esse texto, 06/08/2020, foram confirmadas 706.342 mortes por COVID, o que gera comoção mundial.

A importância do debate e incentivo à amamentação não deve restringir-se ao mês de agosto, é um mês em um ano para tratar do tema, ao passo em que nos demais meses outros assuntos tomam lugar.

Não bastasse a questão da saúde das mulheres e crianças, a amamentação também melhora o potencial de escolaridade para as crianças, e consequentemente, sua renda enquanto adultos.

Estimular, incentivar a mulher a acreditar no poder de seu próprio corpo é algo que ultrapassa a questão da amamentação, é também uma medida de saúde pública, eis que uma mulher com confiança em si conquista e muda o mundo.

Sobre a SMAM: Comemorada entre os dias 1 a 7 de agosto, esta semana de incentivo ao aleitamento materno é organizada pela Aliança Mundial de Ação Pró-Amamentação (WABA) criada em 1992 com o objetivo de promover as metas voltadas à saúde da criança, definidas pela UNICEF em decorrência da OMS. Cumpre ao Ministério da Saúde, desde 1999, coordenar a difusão das informações, juntamente às Secretarias de Saúde de cada Estado e Municípios. Sobre a Autora: Camila R. Alves teve dificuldades relacionadas ao AM e com o auxílio adequado pôde contornar os desafios e ter segurança no seu processo do aleitamento; capacitou-se para conhecer mais sobre o assunto que excede sua formação universitária, e hoje promove a difusão do aleitamento através do perfil de Instagram voltado à amamentação @amigasdotetah por acreditar que o conhecimento através da informações baseadas em evidências e atualizadas fomentam a autonomia da mulher e da família para a escolha e condução do AM.


[1] http://scielo.iec.gov.br/pdf/ess/v25n1/Amamentacao2.pdf

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *